segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Jornalista francesa retraça a vida de Brigitte Bardot em biografia

PARIS, França, 2 Jan 2012 (AFP) - Estrela, apesar da relutância, Brigitte Bardot construiu a legenda de uma independência selvagem, desistindo da carreira de atriz pela defesa dos animais: o "mistério Bardot" é descrito numa nova biografia elogiosa da ex - artista francesa.
Nas páginas de "Brigitte Bardot, Plein la Vue" ou "Brigitte Bardot para Encher os Olhos", numa tradução livre, Marie-Dominique Lelièvre, do jornal "Libération", apresenta o retrato de um ícone, assumindo sua admiração "pela trajetória, ousadia e a coragem" da mulher.
"De todos os personagens sobre os quais escrevi, Bardot é o mais complexo, mais que o cantor Serge Gainsbourg ou o estilista Yves Saint Laurent", disse à AFP Marie-Dominique Lelièvre, uma apaixonada pelos arautos da cultura francesa pop.
"Criatura gerada pela vontade dos outros", símbolo sexual dos anos 1960, a atriz é apresentada,principalmente, como mulher livre, "rejeitando as obrigações de porta-voz de uma geração", estima a autora, passando em revista os amores de B.B - entre eles os quatro maridos sucessivos (Roger Vadim, Jacques Chamier, Gunter Sachs e o atual, Bernard d'Ormale).
Para a autora, Bardot foi presa muito cedo da celebridade, "o que a fechou no vazio vertiginoso de seu próprio reflexo".
"Bardot diz e faz o que pensa, sem satisfações a dar, encerrada nela mesma", acrescenta a autora que a descreve hoje como reclusa, fora do próprio tempo e da sociedade.
"Sua maneira de envelhecer, enfrentando a idade de frente, numa época que esconde a velhice, é uma marca de coragem", destaca Marie-Dominique Lelièvre.
"Bardot é uma rainha. Pode-se abandoná-la, mas nunca destroná-la".

Nenhum comentário:

Postar um comentário